sábado, abril 25, 2015

Razão tinha o Mário Soares

Não vi na totalidade a cerimónia parlamentar de celebração do 25 de Abril e pelo pouco que só tenho a dizer que razão tinha o Mário Soares. Quando liguei a televisão já os discursos iam adiantados , mais tarde ouvi um pouco as baboseiras finas da presidente da AR, ainda ouvi uma parte do discurso daquele senhor que é presidente mas em boa hora tive de sair e a rádio Cidade que me é imposta pela minha filha é bem mais interessante do que o verter de ódio e ressabiamento de Sua excelência.
  
Ainda tive a oportunidade de ouvir um rapaz a destilar ódio contra o 25 de abril, usava um daqueles fatos riscados muito típicos da máfia americana e logo percebi que queria imitar os gostos do chefe e seria um desses deputados do PSD que na próxima legislatura ficam fora do táxi pois como se sabe no domínio da política a preferência do líder do CDS vai para as mulheres. Um outro jovem dizia que dava mais valor à liberdade por já ter nascido com ela do que os que arriscaram a vida para que os seus progenitores parissem o belo rebento em democracia!
  
Do pouco que ouvi de sua excelência registei banalidades com cheiro a ódio, manipulação eleitoral e vingança, só lhe falta ir fazer um piquenique em Évora mais a Felícia Cabrita e os jornalista da secção do Ministério Público e aí apelar ao país que vote no seu PSD. 
  
Onde estava Cavaco Silva quando o governo sugeria aos jovens que fossem em busca de zonas de conforto, quando o pequeno Rangel teve a brilhante ideia de criar uma agência para facilitar a emigração ou quando o então ministro iletrado Miguel Relvas sugeria aos jovens o Brasil ou Angola? Vir verter lágrimas de crocodilo é de quem está mais preocupado em limpar a sua imagem do que com os jovens.
  
É triste ver as celebrações do 25 de Abril servirem para ouvir baboseiras e gente sem classe a verter ódio e a usar uma democracia pela qual nunca lutaram e de que se souberam servir para limpar a sua própria imagem. Felizmente alguns vão ser corridos e outros não poderão concorrer novamente, talvez no próximo dia 25 de Abril o ar esteja mais respirável em São Bento.

Umas no cravo e outras na ferradura



 Foto Jumento

 photo _Salgueiro_zpsh8iwi9v6.jpg


Salgueiro Maia, Lisboa
  
 Jumento do dia
    
Passos Coelho

Nunca um primeiro-ministro tão fraco teve tantos livros laudatórios, isto começa a parecer o tempo dos imperadores romanos decadentes que festejavam enquanto assistiam ao incêndio de Roma. É ridículo que alguém com tão pouca estatura produza uma biografia de quatro em quatro anos, mas enfim, desta vez evitou a Felícia Cabrita.

«Quatro anos após Um Homem Invulgar vai ser lançada nova biografia sobre o primeiro-ministro que já terá episódios da atual governação. Autora trabalha para o partido.

Vem aí mais uma biografia de Pedro Passos Coelho. Num perfil recente no Expresso sobre o primeiro-ministro os amigos falavam num "Pedro 1" (na primeira metade da década de 1990, mais wild, das noitadas, menos certinho) e de um "Pedro 2" (responsável, gestor, pai de família, político sereno). O livro que que vai ser lançado no próximo mês, com o título Somos o Que Escolhemos Ser, será mais sobre o Pedro 2.» [DN]

 Portas aldrabão

Este Portas roça o ridículo, em 2014 inventou um mecanismo de reembolso da sobretaxa em 2015 e disse que com tal mecanismo a sobretaxa poderia ter sido devolvida antes. Agora duvida das propostas do PS precisamente porque se propõe um reembolso mais rápido da sobretaxa, comparando com a proposta governamental que se esqueceu do prometido reembolso.
 
 Idiotas

É o que se pode dizer de deputados que em véspera do 25 de Abril se lembram de propor uma lei imbecil para controlar o trabalho da comunicação social durante a campanha eleitoral. Alguém devia investigar o que se anda a beber na cantina do parlamento pois os deputados parecem não estar na posse de todas as suas faculdades.

vale a pena comparar o que estes idiotas fizeram agora com o que ainda há poucos dias diziam sobre a famosa lista VIP que não passou de uma treta. Com que autoridade os mesmos deputados que sacrificaram altos quadros do Estado em plena praça pública em nome de valores de igualdade agora não têm a dignidade de resignar por terem tentado fazer algo bem mais grave?

 Sugestão

O que achará o parlamento sobre a possibilidade de preencher os lugares da ERC com coronéis na reserva?

      
 Marco António Costa, o "Aplpinista político", os "SHM" e a sua "rede"
   
«(...)

Mas o que me preocupa não são estas jogadas de “ baixa política ” de MAC. O que me preocupa mesmo é saber que Marco António Costa continua a perseguir o seu sonho de pequenino de chegar à liderança do PSD que começou há cerca de 20 anos em Valongo. E Marco António Costa nunca poderá ser Presidente do Partido Social Democrata, em nome de Portugal, dos nossos filhos e das futuras gerações.

Algumas vezes sou abordado por pessoas que me perguntam se não temo Marco António em função da frontalidade com que escrevo. Até há uns meses atrás diria que não, mas agora confesso que ultimamente às vezes sim, não tanto por mim, mas sobretudo pela minha família, pelas minhas empresas e pelos postos de trabalho dos meus funcionários porque conheço “ os seus métodos “ e tenho noção que infelizmente, para mal do nosso Portugal, é uma pessoa com alguma influência no País.

Não sou pessoa de escrever cartas ou apresentar queixas anónimas. Ele sabe isso. Sou assim, sempre fui assim, sou frontal, escrevo e assino por baixo. E até porque estamos em Abril, apenas a dois dias de assinalarmos os 41 anos da revolução de Abril, símbolo da Liberdade, entendi que, antes que seja tarde, era este o momento para tornar público o que conheço do “ alpinista “ politico, Marco António Costa, dos “ seus homens de mão “ e da sua “rede “.

Há muito que digo que luto pela moralização da vida política e pública. Pela separação da política e dos negócios. Por isso nunca será por medo que deixarei de escrever o que defendo em nome da defesa de princípios e causas para o meu País. » [Facebook]
   
Autor:

Paulo Vieira da Silva.


 Parlamento não levanta imunidade parlamentar a Miguel Macedo
   
«A comissão de Ética recusou o pedido de levantamento de imunidade apresentado pelo ex-ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, porque não foi formulado por um juiz no âmbito de um processo criminal. O deputado não é arguido nem testemunha em qualquer processo.

O parecer que foi discutido concluiu que “não há enquadramento legal para o levantamento da imunidade por parte do deputado, mas apenas quando tal é efetuado por juiz competente em processo criminal, após parecer da Comissão de Ética nos casos em que aquele não é automático”.» [Observador]
   
Parecer:

No que dia em que bastar umas notícias encomendadas a um jornal para levantar a imunidade parlamentar o melhor é atribuir à PGR a presidência do parlamento e ser o sindicato dos magistrados a escolher em assembleia-geral o Presidente da República. Já nos bastou ver uma juiz entrar pelo parlamento a dentro para prender um deputado, se a democracia ceder um dia destes um qualquer super Alexandre vai a São bento e manda todo um grupo parlamentar para Évora.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aprove-se.»

 Somos ainda mais infelizes dos que os paquistaneses
   
«Portugal aparece na 88.ª posição no ranking da felicidade, imediatamente atrás da Sérvia, Roménia, Zâmbia, China, Montenegro, Jordânia e Paquistão, todos com um PIB inferior, por exemplo.Na escala da felicidade e satisfação com a vida que levam, de 0 a 10, os portugueses ficam-se pelos 5,102 - menos 0,304 que no relatório anterior, quando ocupava o 73.º lugar. Aliás, Portugal aparece como o país mais infeliz da Europa Ocidental» [DN]
   
Parecer:

É o efeito Passes Coelho.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Mande-se o passos Coelho para as zonas tribais do Paquistão!»

 Desta vez Crato tem razão
   
«"Nós conseguimos mais nos últimos quatro anos em termos de projetos europeus do que tínhamos conseguido nos quatro anos anteriores", afirmou Nuno Crato.

Segundo o ministro, "aquilo que já se conhece no horizonte 20/20, que ainda é pouco, indica que já conseguimos mais do que aquilo que, teoricamente em termos de quota e em termos de participação relativa, seria atribuível a Portugal se os projetos fossem distribuídos de acordo com as contribuições dos países e de acordo com a sua potencialidade económica".

"É muito bom sinal, porque estamos a competir nestes projetos e neste horizonte europeu com países como a Alemanha, França, Itália, Inglaterra e a Holanda. Estamos a competir com países que estão desenvolvidos cientificamente há muitos anos e com uma indústria muito entrelaçada com a investigação científica", afirmou.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

É verdade com uma boa parte dos nossos jovens cientistas a dar o pulo para outros países europeus a nossa ciência deu mesmo um pulo para a Europa.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a merecida gargalhada.»

 A Nike agradece
   
«Os jihadistas do ISIS foram proibidos de continuar a utilizar roupas e outros utensílios da marca Nike. Segundo reporta o site RT, a proibição está relacionada com o facto de a palavra estar próxima da designação árabe para designar o ato sexual.

Numa série de panfletos distribuídos pela capital do autoproclamado estado islâmico, os responsáveis pela organização terrorista foram advertidos para o facto de o uso continuado deste tipo de utensílios poder dar direito a uma multa, prisão ou mesmo chicotadas.

Segundo o RT, esta alteração estética surge num momento em que um dos mais conhecidos líderes jihadistas foi já fotografado usando vários elementos de vestuário desta marca, estando a ser associado a este mesmo facto.» [Notícias ao Minuto]
  
 A outra lista VIP
   
«Fernanda, 44 anos, três filhos, atualmente a viver em Lisboa, não esquece o dia, no final de fevereiro, em que o país ficou a saber que o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, acumulou dívidas à Segurança Social entre outubro de 1999 e setembro de 2004.

Passos Coelho explicou que nunca foi notificado para proceder a qualquer pagamento, além de que, nessa altura, a dívida já teria prescrito. Enquanto isso, em 2013 (sete anos após a dívidas), Fernanda foi "intimidada", "com ameaça de penhora e venda" da casa onde vivia com os filhos e diz ter sido "coagida" a aceitar um plano de pagamento de 146 euros por mês, durante 60 meses.

"A lei é igual para todos ou os serviços da Segurança Social são uma lotaria em que os premiados têm as dívidas prescritas porque os serviços se esqueceram de notificar os devedores?" - questionou e enviou uma reclamação ao Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social e apresentou queixa a José de Faria Costa, o provedor de Justiça.» [JN]
   
Parecer:

desta vez ninguém pediu a cabeça dos gestores perdulários da Segurança Social que não cobram aos amigos.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»
  
 BE propõe criação de clubes da ganza
   
«A Assembleia da República aprovou hoje por unanimidade a baixa à comissão sem votação do diploma do BE que legaliza o cultivo de canábis para consumo pessoal e institui associações sócio culturais dedicadas àquela prática.

O pedido para que o projeto de lei baixasse à comissão para discussão na especialidade sem votação foi feito pelo BE, tendo merecido o voto favorável de todas as bancadas, nomeadamente da maioria PSD/CDS-PP e do PCP, que durante a discussão em plenário se tinham mostrado contrários ao diploma.
  
Segundo o texto do projeto de lei, os referidos clubes de canábis apenas poderão ser frequentados por maiores de idade e somente associados a uma daquelas agremiações. Nas instalações, que terão de estar a mais de 300 metros de estabelecimentos de ensino, são proibidos o consumo e a venda de bebidas alcoólicas, assim como a prática de jogos.» [DN]
   
Parecer:

É uma boa ideia, sempre ajuda o pessoal a sentir-se feliz apesar da austeridade, digamos que é uma medida de carácter paliativo.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»
  

   
   
 photo Alex-Schischkin-1_zps1k6aac48.jpg

 photo Alex-Schischkin-4_zpsbqs5tb3r.jpg

 photo Alex-Schischkin-5_zpsodic2akr.jpg

 photo Alex-Schischkin-2_zpsjeys0vd4.jpg

 photo Alex-Schischkin-3_zpskeprmyol.jpg
  

sexta-feira, abril 24, 2015

O fisco e os sobreiros

 photo DGCI_zpsj9gau5p5.jpg
  
Os governos de Cavaco Silva deixaram não investiram na DGCI, o último director-geral nomeado foi um desastre para as contas públicas e os últimos tempos de governo do algarvio de Boliqueime foram um desastre financeiro, com parte dos vencimentos pagos em títulos do tesouro e os serviços do Estado a elaborar listas de “disponíveis” com vista ao despedimento de funcionários públicos. A então DGCI era uma organização arcaica onde apenas o sector do IVA apresentava níveis de modernização minimamente compatíveis com as exigências de uma administração tributária.
  
A grande aposta na modernização das instalações e na informatização foi feita por Sousa Franco, nesse tempo foram renovadas as instalações de quase todos os serviços de finanças do país e integradas as tesourarias na então DGCI. EM pouco anos os mais de 10 mil funcionários da DGCI que no tempo de Cavaco trabalhavam de forma artesanal passaram a contar com computadores e a dispor de uma poderosa rede informática nacional.
  
Manuela Ferreira Leite, que começou por fazer disparates motivada por ódios partidários de gente do seu círculo, teve o mérito de prosseguir o esforço de investimento de Sousa Franco, completando o primeiro ciclo de investimentos na rede informática do fisco. Tendo demitido as equipas competentes para promover a colocação de incompetentes na DGCI e de gente do BES na DGITA os resultados tardaram em aparecer.
  
Investir numa organização arcaica e com a dimensão da então DGCI é como plantar sobreiros, raramente foi quem teve a visão necessária para plantar as árvores que vai ter a oportunidade de beneficiar da primeira recolha de cortiça. No caso da informatização da DGCI a primeira colheita da cortiça ocorreu quando Paulo Macedo era director-geral e graças a um ciclo de investimentos de quase 8 anos o então quadro do BCP conseguiu resultados graças à aposta nos recursos informáticos e foi isso que permitiu cobrar a dívida titularizada pelo City Bank.
  
Este governo apanhou o sobrado em toda a sua pujança e as recolhas de cortiça foram um sucesso. Sousa Franco tinha tratado do terreno e plantado os sobreiros, Manuela Ferreira Leite tratou o sobrado com esmero e investiu nos seus cuidados, este governo tirou partido do facto do sobrado estar na sua plenitude e tratou de colher a maior quantidade possível de cortiça.
  
Mas tal como as organizações humanas merecem ser tratadas com cuidado também a recolha da cortiça deve ser feita com o cuidado de não ferir o tronco das árvore sob pena de as próxima cortiça produzida seja de má qualidade. À modernização da máquina fiscal correspondeu uma aposta na qualidade e motivação dos seus recursos humanos, Sousa Franco melhorou a remuneração dos funcionários da DGCI, no tempo de Paulo Macedo os resultados dignificaram a instituição e melhoraram a auto-estima, o acctual governo comporta-se como o herdeiro irresponsável que nada apostou no sobrado e que não dando valor aos seus antepassados recolhe a cortiça à bruta e sem cuidar dos sobreiros.

Como se tudo isto não bastasse enquanto dantes a DGCI exibia a apreensão de carros de luxo como prova do sucesso no combate à evasão fiscal, com o fisco gerido pelo tal partido que se diz ser do contribuinte passaram-se a exibir penhoras e vendas de casas de pobres por causa de dívidas irrisórias, enquanto o Ricardo Salgado podia ir três vezes por anos corrigir a declaração do IRS, se promoviam perdões fiscais aos ricos e se dificultava a possibilidade dos menos ricos recorrerem à justiça dos tribunais criando uma discriminação maldosa, os ricos podem recorrer aos tribunais enquanto aos pobres tal alternativa é vedada e ficam entregues ao poder administrativo.
 
Em pouco tempo a máquina fiscal que conquistava a simpatia do país por uma imagem de combate à evasão fiscal passou a ser associada a uma lógica de pilhagem fiscal, uma instituição que promovia equidade fiscal tornou-se num homem do fraque com dois pesos e duas medidas, uma para os poderosos e outra para os pobres, uma instituição que podia assentar a sua imagem em valores de cidadania tornou-se numa central de cobrança onde a imagem da eficácia deu lugar ao terror.
  
A máquina fiscal foi decapitada, em nome da protecção dos políticos os seus quadros foram difamados e as suas cabeças exibidas em público, inspecções de organismos dirigidos por gente ambiciosa e com agenda própria criaram alarme público. Nunca o seu prestígio esteve tão por baixo, nunca os políticos foram tão interventivos na sua gestão, nunca as suas lideranças estiveram em situação tão precária.

Num país em situação financeira quase limite, com um governo incapaz de controlar a depesa pública só encontrando soluções inconstitucionais tratar desta forma uma administração fiscal que se tem revelado capaz de dar resposta aos problemas é, no mínimo irresponsável e a tutela política devia ser demitida. O país corre um sério risco de pagar muito caro os devaneios a que tem assistido e só é pena que a nossa lei penal não contemple como crime alguns actos de gestão de políticos incompetentes e manhosos.
  

Umas no cravo e outras na ferradura



 Foto Jumento


 photo _Vida_zpsdnkktf76.jpg

Vida de cão na Rua Augusta, Lisboa
  
 Jumento do dia
    
Anabela Rodrigues, ministra da Administração Interna

Quando o país estava à espera que explicasse a abrupta demissão por "motivos pessoais" do seu secretário de Estado eis que a ministra opta por dizer banalidades sobre o combate ao terrorismo.

«A ministra da Administração Interna, Anabela Rodrigues, disse hoje que o combate ao terrorismo implica uma adequada ação preventiva e um "papel renovado das forças e serviços de segurança".

"Um combate que implica, sem dúvida, uma nova pro-atividade policial e uma resposta cada vez mais pronta e eficaz, mas também um adequado pendor preventivo na ação e um novo enquadramento político do papel renovado das forças e serviços de segurança", afirmou Anabela Rodrigues.» [Notícias ao Minuto]


 Investigação Simplex
   
«O administrador do Grupo Lena Joaquim Barroca foi detido quarta-feira à noite, depois de buscas realizadas à sede do grupo, em Quinta da Sardinha, no concelho de Leiria, disse à Lusa fonte ligada ao processo. Terão sido feitas igualmente buscas à sua casa.

Segundo a mesma fonte, Joaquim Barroca foi detido no âmbito da ‘Operação Marquês’, que envolve o ex-primeiro-ministro José Sócrates e vai ser hoje presente ao juiz Carlos Alexandre.

Nas buscas terão participado o procurador Rosário Teixeira e o juiz Carlos Alexandre.

Num computador apreendido a Barroca constarão vários dados bancários sobre como circulava o dinheiro entre o Grupo Lena, Carlos Santos Silva e José Sócrates. Estes dados de transferências bancárias, não só em Portugal como no estrangeiro, serão considerados fundamentais para a investigação. Segundo fontes próximas do processo, tratam-se de provas que permitem cruzar os montantes transferidos para Santos Silva, ex-administrador do grupo, com os valores que depois o empresário amigo de José Sócrates emprestava ao ex-primeiro-ministro.» [Observador]
   
Parecer:

Nunca a nossa "justiça" foi tão lesta a produzir prova, ontem à noite fez as buscas e já teve tempo não só para saber tudo que estaria no computador como também para fazer "deixar" a informação chegar aos jornais. Nos intervalos ainda terão conseguido ouvir o arguido. Não estamos apenas perante uma investigação Simplex, também podemos concluir que o Simplex defendido pelo refundador Portas também já chegou à violação do segredo de justiça, um dia destes ainda ninguém foi preso e os jornais já divulgaram o despacho de algum super juiz.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a merecida gargalhada.»

 Notícia miserável
   
«O funeral ainda não tem data marcada, mas o presidente do partido, Paulo Portas, está a encontrar espaço na sua agenda para marcar presença no velório de José Girão Pereira, um “profundo humanista” nas palavras do deputado e ex-dirigente distrital democrata-cristão, Raul de Almeida.» [Público]
   
Parecer:

Portas manda dizer aos jornais que está à procura de uma fresta na sua agenda para ir ao velório de um amigo!
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se ao refundador que seja menos miserável.»

 Antes que cheguem as eleições
   
«Futuro concessionário "terá de corresponder a objetivos de serviço público", nomeadamente requisitos de investigação científica e de promoção dos conhecimentos do oceano.

O concessionário privado que vai passar a assegurar a gestão do Oceanário de Lisboa é escolhido em julho, anunciou hoje o ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia.» [DN]
   
Parecer:

Perante a evidência da derrota eleitoral o governo prepara uma verdadeira orgia estioval de privatizações e nomeações de boys.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Diga-se não aos golpes baixos do governo defunto.»
  

   
   
 photo Kimberley-Joanne-Sinclair-5_zps2jppmrcz.jpg

 photo Kimberley-Joanne-Sinclair-2_zpsxxi9tb7p.jpg

 photo Kimberley-Joanne-Sinclair-1_zps6g6heivy.jpg

 photo Kimberley-Joanne-Sinclair-3_zpspdkxa3b5.jpg

 photo Kimberley-Joanne-Sinclair-4_zpsqaos0wzl.jpg
  

quinta-feira, abril 23, 2015

"¡Muera la inteligencia!" ?

Passos Coelho anda há meses a pedir ao PS que lhe apresente alternativas e quando o PS avança com o enquadramento económico das soluções que pretende propor ao país eis que o líder da direita foge ao debate em vez de discutir as medidas refugia-se em truques de linguagem e manda a sua alcateia morder no líder do PS. De um lado é o PSD e o CDS a atacar um documento que nem se deram ao trabalho de ler, do outro são os jornalistas contratados pelo Compromisso Portugal a escreverem artigos sucessivos de qualidade técnica duvidosa.
  
É divertido ver um governo que durante muitos meses viveu da imagem de Vítor Gaspar vir agora desvalorizar um grupo  de economistas entre os quais estão vários que deixariam o ex-ministro na sombra académica. Gaspar era o maior, era doutorado, a avó Prazeres era o símbolo das virtudes, era bem visto no BCE, tinha amigos em Harvard e até calava o então ministro da Economia (teria sido bem mais útil calar o actual).
  
Agora desvalorizam o grupo de economistas, achincalham o trabalho e tentam ridiculariza-los como se tudo o que viesse de economistas fosse burrice. Ser doutorado em Harvard já não conta, ter boas relações no BCE já não se valoriza, fundamentar as propostas de política económica já não se valoriza. Agora o que conta são as piadas de uma ministra das Finanças que sabe tanto de política económica como de lagares de azeite, as grandes afirmação de um Portas a olhar de esguelha e com aquele sorriso cínico que só nos dá vontade de mandar à merda.

Este foi o governo que num dia decidiu um esquema na TSU e que no outro criou uma sobretaxa no IRS sem qualquer estudo ou debate e com um único economista a decidir, este foi o governo que fez um guião da refundação do Estado que depois disse que iria ser calendarizado e acabou por sugerir que as reformas já estavam feitas ainda antes do guião.
  
Este governo cortou salários e pensões depois de na campanha se ter prometido o contrário e usado isso para desvalorizar o então líder do PS, este governo adoptou uma política económica sem qualquer estudo prévio e assente apenas em premissas ideológicas, este governo chamou reforma da Segurança Social a um corte linear das pensões, este governo ora adia reformas, ora as propões ao partido da oposição ao sabor das conveniências de estratégia política.
  
De um lado temos um governo que põe em causa todas as estatísticas de que há pouco tempo se servia para anunciar milagres, que recorre a truques de ilusionismo para eliminar desempregados, que promove a emigração de quadros para estes não aparecerem nas estatísticas do desemprego, que num dia propõe alterações na TSU e no dia seguinte recua, que propõe reduções das pensões sem explicar como as consegue. Do outro temos uma tentativa de debater os problemas nacionais numa base de seriedade.
  
Parece que a nossa direita se inspirou no general franquista José Millán-Astray y Terreros a quem é atribuída a expressão  "¡Muera la inteligencia!”. Agora já não elogiam os economistas, já não se valoriza Harvard, não se dá importância às relações com o BCE, agora o que importa são os cofres cheios da Maria Luís e a economia mais competitiva do mundo apregoada por Passos Coelho.

Umas no cravo e outras na ferradura



 Foto Jumento


 photo _girafa_zpstlerbiqr.jpg

Girafa do jardim Zoológico de Lisboa
  
 Jumento do dia
    
Pires de Lima

Ouvir a Santinha da Horta Seca fazer apelos humildes aos pilotos da TAP só pode dar lugar a uma sonora gargalhada!

«O ministro da Economia, António Pires de Lima, fez esta quarta-feira um "apelo humilde" para que os pilotos recuem na intenção de fazer greve, afirmando que "errar é humano", mas não corrigir o erro "demonstra falta de sensibilidade e de inteligência".

"Quero acreditar que muitos pilotos já se aperceberam da irrazoabilidade deste pré-anúncio de greve. Errar é humano, não corrigir o erro demonstra falta de sensibilidade e de inteligência", declarou Pires de Lima, fazendo "um apelo humilde ao sindicato dos pilotos para que reveja a sua posição".» [Expresso]

  A auditoria do TdC ao TC

Tudo junto o que o Tribunal de Contas apanhou é muito menos do que o total do subsídio de residência que os portugueses pagam aos administrativos promovidos a juízes do TC e que é um absurdo vergonhoso. Este subsídio era concedido antigamente aos juízes colocados em comarcas sem residências para os magistrados. Não faz o mais pequeno sentido ser pago tal subsídio isento de impostos a juízes que concorreram ao TdC que tem instalações em Lisboa.

 Na "Voz do Povo"

Era de esperar que o velhinho defensor da ditadura do proletariado e redactor da "Voz do Povo" fosse um dos primeiros a chamar a si o papel de pitbull de serviço para morder nas propostas de António Costa. Percebendo que a crítica teria de aparentar algum rigor científico o redactor da Voz do Povo foi buscar provas teórias e técnicas que fundamentassem o se ataque às propostas do PS, nem mais nem menos o PE apresentado pelo governo e convertido em verdade absoluta. Isto é, as propostas de Costa não são aceitáveis porque não estão de acordo com as premissas a que chegou a brilhante economista Maria Luís.

Enfim, redactor da Voz do Povo um dia, redactor toda a vida:

«Ainda a semana passada vimos como a proposta de Programa de Estabilidade do Governo, mesmo incluindo previsões de crescimento económico mais optimistas do que as da Comissão Europeia, não dava grande margem para flores eleitoralistas, pelo contrário, apenas permitindo um alívio gradual das medidas de austeridade ao longo de quatro anos. Mesmo assim ouvimos, vindas do PS, críticas ao “optimismo” das previsões de crescimento.» [Observador]


 Quem ouviu o Observador sobre o programa do PS
   
«O PS apresentou esta terça-feira o primeiro documento que servirá de base ao programa eleitoral socialista. Numa primeira análise feita “à boca das urnas”, o único candidato oficial à Presidência da República, Henrique Neto, tem reticências. Nomeadamente sobre a capacidade de o Estado contribuir para a “inovação” das empresas e sobre o facto de o aumento do consumo (com a reposição de salários) ter tendência para gerar um aumento das importações.

Ao Observador, o ex-deputado socialista e empresário destacou o pilar da “inovação”, que António Costa apontou como sendo um dos cinco onde assentam as propostas do PS, para dar uma no cravo e outra na ferradura. Se, por um lado, Henrique Neto elogia o facto de António Costa ter apontado a inovação do setor empresarial como prioridade, por outro, levantou dúvidas sobre se “isso pode ser conseguido pelo Estado”. E se for, “será sempre a médio prazo”.» [Observador]
   
Parecer:

O Observador foi ouvir alguém que sabe muito de economia e que se candidatou a presidente a bem do país e com independência! Agora ficamos a aguardar que ouçam o Medina Carreira, a Maria Luís e o cavalo do D. José.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a merecida gargalhada e disfarça-se a pena por ver um pobre idoso fazer figuras tão tristes.»

 O MP não ouve as notícias?
   
«O Ministério Público (MP) arquivou a participação por denúncia caluniosa apresentada por dois ex-funcionários do instituto (IGFEJ) que gere o sistema informático CITIUS contra a ministra da Justiça, segundo o despacho a que a agência Lusa teve acesso.

A queixa de Hugo Tavares e Paulo Queirós assentava no facto de Paula Teixeira da Cruz ter efetuado participação criminal contra ambos com base em documentos onde não constava qualquer elemento que pudesse levar a concluir que tivesse sido praticado o crime de sabotagem informática a que se aludia no despacho assinado pela ministra a propósito do “Relatório de Avaliação do Processo de adaptação do Citius à Lei da Organização do Sistema Judiciário”.

Analisada a queixa em sede de inquérito, a procuradora Fernanda Tomé, da Comarca de Lisboa Norte, concluiu que no despacho proferido pela ministra da Justiça “não se nomeiam ou individualizam quaisquer entidades ou sujeitos, não se particularizam, omitem ou destacam quaisquer factos, nem se formulam quaisquer juízos de valor” suscetíveis de configurar o denúncia caluniosa ou algum outro ilícito.

Segundo o Ministério Público, o contexto em que foi produzido e “a literalidade do despacho ministerial sobre todo o enunciado no Relatório (…) não se adequa a suportar a suspeita de ter a ministra da Justiça prolatado tal despacho movida por outro propósito que não o de perseguir o exigível esclarecimento dos factos e a circunstâncias ali vertidos”.» [Observador]
   
Parecer:

É para rir...
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Se assim é porque motivo os dois funcionários foram alvos de um inquérito no MP?»

 Fartou-se...
   
«O secretário de Estado adjunto da ministra da Administração Interna, Fernando Alexandre, apresentou o um pedido de demissão, segundo avançou a Antena 1. A SIC Notícias diz já ter confirmado a informação.

O secretário de Estado adjunto irá alegar motivos pessoais, mas segundo a Antena 1, as motivações podem dever-se a incompatibilidades com a ministra da Administração Interna, Anabela Rodrigues.

O Diário de Notícias refere, citando uma fonte do Ministério da Administração Interna não identificada, que a rutura entre o secretário de Estado adjunto e a ministra terá sido o facto de ter sido afastado das negociações com a PSP sobre o novo estatuto desta força de segurança.» [Observador]
   
Parecer:

Esta ministra escolhida pelo Aguiar-Branco é um clamoroso erro de casting.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»
  

   
   
 photo Yuri-Shevchenko-5_zpsul9uigwl.jpg

 photo Yuri-Shevchenko-4_zpsuydpgfdk.jpg

 photo Yuri-Shevchenko-2_zpsf4ggi2ph.jpg

 photo Yuri-Shevchenko-3_zpsvsgtyvvz.jpg

 photo Yuri-Shevchenko-1_zpsex5j9e4b.jpg